Logo | Cursos SENAI Rio

 

Segmento Gás

Antes de escolher um curso do SENAI Rio, conheça melhor este segmento

Os gases combustíveis vêm ganhando cada vez mais importância na matriz energética brasileira, o que gera uma série de oportunidades no mercado de trabalho para quem tiver qualificação específica.

Neste segmento - que inclui gás natural, gás liquefeito de petróleo (GLP) e aqueles originários de fontes alternativas, como resíduos orgânicos, biomassa etc. -, é possível atuar nas etapas de projetos, montagens, manutenção e avaliações de desempenho de sistemas de gás, com a descrição de materiais e componentes utilizados nestas instalações e o desenvolvimento de atividades relacionadas à sua operação.

Além das empresas de distribuição e produção de gás, os profissionais encontram oportunidades de trabalho também nas etapas de implementação e operação de empreendimentos industriais que utilizam esse recurso como fonte energética em seus processos produtivos.

Devido às constantes inovações tecnológicas nesse segmento e o alto grau de responsabilidade que as atividades profissionais representam, aqueles que pretendem atuar nesse mercado devem, além de buscar o aperfeiçoamento constante, ser submetidos aos processos de certificação de suas funções frente às entidades representativas do setor, em alguns casos.

Como é o mercado deste segmento no Rio?

Gás: Salário médio pode chegar a mais de R$ 9,73 mil.

A Capital do estado do Rio emprega 5.686 trabalhadores. A Baixada Fluminense (duque de Caxias) é a segunda maior empregadora, com 1.544 postos de trabalho, seguida da região Norte, com 542. Em todo o estado há 8.175 empregados no setor, com salário médio de R$ 6.782,58. O segmento conta com 167 estabelecimentos no estado do Rio.

A Capital é a região que apresenta a melhor remuneração no setor de Gás, com salário médio de R$ 8.405,33, e a região Norte registra os melhores salários pagos aos trabalhadores com formação de Ensino Médio completo (em média, R$ 4.799,31). Aqueles que têm escolaridade mais alta recebem, na Capital, o maior valor pago neste segmento (em média, R$ 9.734,06).

O MERCADO

Principal região empregadora - Capital 5.686
Região com maior participação no setor - Capital 69,55%
Número de estabelecimentos - Estado 167
Região com a maior média salarial - Capital R$ 8.405,33

Fonte: Elaboração Sistema FIRJAN com dados do Ministério do Trabalho e Emprego, referentes ao ano de 2010.