Inova Firjan SENAI: entenda o Sensor Cap, que pretende diminuir o número de acidentes e de roubos de moto no país | Cursos Firjan SENAI

A Firjan SENAI

A equipe de Eletricidade Industrial da Firjan SENAI Nova Iguaçu desenvolveu o projeto Hórus Sensorial, um dispositivo de segurança instalado no capacete e na parte inferior da traseira de uma motocicleta, para ajudar na percepção sensorial do motociclista nos pontos cegos deixados pelo capacete. A ideia inovadora foi uma das sete apresentadas no Demoday Inova Firjan SENAI deste ano.  

O projeto nasceu após algumas pesquisas sobre o desempenho da indústria automotiva, que registrou um aumento na aquisição de motocicletas devido à maior demanda pelos serviços de e-commerce e delivery e o consequente crescimento no número de acidentes. “Como se trata de um dispositivo de segurança, haverá também a implementação de um sensor, na qual a moto só irá ligar quando o motociclista estiver usando o capacete”, explica Alexandre Silva Brito, instrutor de Eletricidade da Firjan SENAI.  

Protótipo

A equipe formada por Anderson Alcântara Júnior e João Vitor Menezes Diniz pretende criar um protótipo, porém, com algumas alterações. “O projeto contará com três dispositivos: um que ficará na traseira da moto, um no capacete e um terceiro ligado à injeção eletrônica. Os dispositivos principais conterão sensores ultrassônicos, na direita e na esquerda da motocicleta, com ângulo mínimo de 180º”, revela Anderson.

João Vitor acrescenta que um sensor de barreira evitará que a motocicleta seja ligada sem que o piloto esteja com o capacete devidamente colocado. “O sensor terá a função de trava de segurança. O capacete enviará um sinal para o relé fotoelétrico que estará ligado na injeção eletrônica da moto, fazendo com que seja liberada a corrente para ligá-la”, explica. 

Dessa forma, o protótipo também tem como finalidade mitigar os furtos e reduzir os valores do seguro, já que a motocicleta só ligará com o capacete. “E caso venha a ser roubada na presença do motociclista, o relé só irá desligar a moto após três minutos. Isso manterá a integridade do piloto até que seja recuperada”, acrescenta o instrutor do grupo.